Home Empréstimo Economia em 2023: quais são as previsões para o ano?

Economia em 2023: quais são as previsões para o ano?

0
Economia em 2023: quais são as previsões para o ano?

Compreender o clima econômico é importante para que os investidores se preparem para o futuro. Como será a economia em 2023? Um mundo onde a inflação está diminuindo lentamente, mas deve aumentar ligeiramente e o dinheiro é altamente desvalorizado. 

Brasil: eleições adiadas, maiores riscos econômicos devido ao enfraquecimento e desaceleração da economia. Descubra tudo sobre a situação econômica atual, o que esperar a seguir e se mantenha focado.

Economia em 2023: O Brasil vai desacelerar

O diretor de investimentos da MAG Investimentos, Claudio Pires (50), acredita que a economia brasileira desacelerará em 2023 em comparação com a média mundial. A previsão é de 0,78%, de acordo com o Focus Bulletin. 

O Fundo Monetário Internacional reduziu sua previsão de crescimento global para 2023 de 2,9% para 2,7%. Para o Brasil, o Fundo espera um aumento da atividade econômica de 1%.

Economia em 2023
Economia em 2023

No Brasil, a desaceleração é “mais forte”. Até 2022, espera-se que a região cresça em torno de 3%. O maior produto interno bruto em 2021 foi de 5%. “Depois de 2024, esperamos que o crescimento do PIB seja novamente um pouco mais forte, em torno de 2%”, disse ele. 

Em sua opinião, o cenário geral é desfavorável e o mecanismo econômico está lutando para limpar suas finanças. O governo pode gastar R$ 170 bilhões acima do teto de gastos.

A economia vai crescer em 2023?

O crescimento econômico também está na agenda. Mas os especialistas acreditam que não será fácil alcançar tal impulso. 

O diretor de pesquisa do BNP Paribas Gustavo Arruda admite que “é bastante difícil prever um cenário de crescimento positivo para a economia brasileira”. 

“Em um cenário único, é muito difícil imaginar um cenário de crescimento positivo em 2023 com base em números relativamente confiáveis para o Brasil”. A perspectiva é zero ou negativa”, diz Arruda.

Fernando Ferreira, estrategista-chefe da XP Investimentos, ecoou esta crítica, dizendo: “Em 2023, acreditamos que as preocupações levarão ao crescimento ou não levarão a crescimento algum”.

Mercado atento ao novo governo 

Aqui no Brasil, o mercado está assistindo ao governo de Lula, mas alguns movimentos iniciais já estão mostrando implicações para os investidores. 

Um exemplo é a publicação dos resultados de uma pesquisa realizada pela consultoria TC Economática. Isto mostra que a Petrobras (PETR4) perdeu R$12,7 bilhões em valor de mercado na primeira semana do índice.

De acordo com o pedido, todas as organizações governamentais “optaram por não participar” devido à incerteza e ameaças de ruptura que se aproximam. 

De acordo com a fonte, um dos componentes foi a nomeação do Senador Jean-Paul Prates para a diretoria da companhia petrolífera. Seu nome já foi oficialmente anunciado e está agora sendo considerado pelo comitê organizador. 

Isto porque o novo CEO deve instalar um novo mecanismo de custos para substituir os custos globais de capital ou PPI.

Ao mesmo tempo, ainda é desconhecido o que a organização oferece, mas sua privatização desapareceu com a chegada do novo governo. 

A Petrobras se tornou uma das seis instituições públicas cujo CEO cancelou um possível estudo de privatização sob nova liderança. 

O cenário de recessão global é chocante. A questão é até que ponto 

Quanto à previsão global para o ano inteiro, Kautz acredita que a aceleração da Covid-19 na China tornará o mercado de trabalho um pouco mais otimista no próximo trimestre. 

Para a Europa, os economistas dizem que um cenário de ruptura total causado por uma projeção de falta de gás em 2022 não se concretizou.

No entanto, a sugestão de que a China poderia desencadear o crescimento europeu nos próximos meses foi descartada, pois a região asiática ainda não se recuperou dos efeitos das políticas de austeridade para controlar a Covid-19. 

Para os EUA, um economista sugere que a economia, que começou a mostrar sinais de cansaço em 2022, deveria entrar em 2023 com um boom. 

“Estamos vendo um cenário de recessão cada vez mais claro. A questão é se haverá uma recessão mais profunda ou uma recessão branda”, diz ele. 

Economia em 2023
Economia em 2023

Especialmente nos EUA, Kautz é mais otimista e não sugere que teremos uma recessão da mesma intensidade que a de 2008, causada pelos preços altos. 

“Muitos assumiram que poderia surgir uma situação semelhante na qual a Receita Federal aumentaria agressivamente as taxas de juros. 

Isto aconteceu porque a dívida corporativa era muito alta na época. Mas hoje estamos em uma situação diferente, portanto nossas famílias estão mais saudáveis, o dinheiro que recebemos durante a pandemia”, diz ele. 

Em geral, de acordo com o economista-chefe da EQI Asset, deveríamos assistir a uma leve recessão ao invés de uma recessão global catastrófica. “Além disso, esta queda na atividade é a chave para acelerar a inflação”, diz ele.

O pior da crise econômica ainda está por vir

O planeta está caminhando para uma nova crise. Pelo menos é isso que as projeções mais realistas baseadas no atual relatório do FMI sugerem. De acordo com o Fundo, 2023 será marcado por uma recessão, com um terço da economia global enfrentando dificuldades financeiras.

O FMI espera que a economia desacelere para 2,7% em 2023, com a inflação atingindo um pico em 2022 (8,8%) e permanecendo em 6,5% no ano seguinte. 

A Grande recessão fortalecerá o dólar, enfraquecerá as exportações e aumentará significativamente a dívida de países em desenvolvimento como o Brasil. Tudo que você comprar com dólares será mais caro, afetando diretamente a inflação.

O cenário que os brasileiros mais temem é que as altas taxas de juros continuem. Isto poderia aumentar os custos dos alimentos, reduzir a demanda por exportações e colocar milhões de pessoas em risco. 

A preocupação é justificada. A economia precisa de preocupação. Resta saber o que o novo presidente fará para impulsionar o crescimento econômico e cumprir com suas promessas. Desta vez, será difícil para Lula reverter a delicada situação da região sem desagradar.

Economia e finanças individuais em 2023

A proteção fiscal também é importante neste ambiente macro para evitar entrar no vermelho e melhorar a saúde financeira.

Economizar é uma maneira de manter suas finanças em ordem. O especialista em pesquisa argumenta que devemos tratar esta questão da mesma forma que administramos nossa saúde. 

Quer saber organizar sua finanças? Confira 5 Dicas Para Organizar Finanças Pessoais em 2023.

Assim que formos ao médico, ele fará um exame geral para ver o que está em nosso corpo, para que possamos tomar medidas mais específicas. 

Acho que temos de olhar para as nossas finanças. Valorizamos cada uma de nossas dívidas e isto nos dá uma visão mais realista de nossa vida financeira”, diz o especialista.