Home Empréstimo Diversificar Investimentos: por que é tão importante?

Diversificar Investimentos: por que é tão importante?

0
Diversificar Investimentos: por que é tão importante?

Segundo especialistas, Diversificar Investimentos é uma alternativa altamente recomendada para todos aqueles que desejam reduzir o risco do investimento. 

Não é segredo que o investimento é um mecanismo que, se o aplicarmos com inteligência, nos dá a possibilidade de aumentar nosso capital a curto, médio ou longo prazo, de acordo com nossas necessidades e expectativas.

Neste sentido, se você estiver pensando em aumentar sua riqueza, a diversificação lhe permitirá buscar rentabilidade em diferentes ambientes de investimento. Assim, um dos primeiros passos que você deve tomar como investidor é definir corretamente sua carteira, que, segundo o princípio da diversificação, deve ser composta de diferentes produtos ou instrumentos financeiros, tais como ações, títulos, depósitos bancários ou fundos de investimento.

O que é diversificação?

Ao diversificar, muitas pessoas entendem que não se trata de investir a totalidade do capital destinado ao investimento em ações de uma única empresa ou em ativos financeiros que tenham uma alta dependência entre eles. 

Estas idéias são, em grande parte, corretas. Entretanto, esta é uma abordagem que não pode ser tomada de ânimo leve, pois uma carteira diversificada tem outros valores que garantem que o risco de perda ao investir seja minimizado.

Por exemplo, investir em diferentes empresas não garante uma carteira diversificada. Para que isso aconteça, as empresas não devem pertencer ao mesmo setor. A diversificação também está relacionada ao investimento em produtos de diferentes áreas geográficas e mercados.

Diversificar Investimentos - (Foto Pexels)
Diversificar Investimentos – (Foto Pexels)

Outras questões a serem consideradas ao diversificar são o desempenho do mercado global e a quantidade de capital que você tem. Neste último caso, é necessário diferenciar entre pequenos e grandes investidores, e é boa prática para pequenos investidores investir apenas em ações de empresas de boa reputação.

Em resumo, o uso do termo “diversificar” no campo do investimento está relacionado à capacidade do investidor de escolher uma carteira contendo títulos, ativos, instrumentos e produtos financeiros de diferentes empresas e setores econômicos, países ou áreas geográficas e categorias (renda fixa ou ações). E, além disso, aplicar, de acordo com os ativos detidos e as tendências do mercado global, estratégias inteligentes para assumir o menor risco possível em sua posição enquanto aumenta sua rentabilidade.

Vantagens da diversificação

Diversificar no mercado de ações é uma ótima maneira de aumentar seus lucros de forma lenta, mas constante. A principal vantagem é que você pode proteger seus ativos contra as variáveis que ocorrem no mercado. 

Assim, você pode aproveitar os ciclos econômicos para ganhar dinheiro em qualquer época do ano. Desta forma, você terá maior liquidez para utilizá-la em qualquer oportunidade que possa surgir a qualquer momento.

Além disso, não se pode esquecer que a diversificação no mercado de ações reduz as chances de perda de dinheiro.

Por outro lado, com uma estratégia correta você pode obter renda de vários países, como você já viu nas modalidades de diversificação. Isto é muito útil quando uma nação está passando por tempos econômicos difíceis e você precisa proteger seus bens. 

É por isso que é importante começar a diversificar sua carteira o mais cedo possível, pois mesmo que o risco esteja sempre presente, você pode reduzir algumas das chances de perda. Assim, se você adquirir o hábito cedo, você terá um futuro financeiro muito promissor.

Desvantagens da diversificação

A principal desvantagem da diversificação é que ela reduz os ganhos imediatos em favor da rentabilidade a longo prazo. Portanto, se você está procurando ganhar dinheiro, a diversificação provavelmente não é a estratégia para você. 

Além disso, os retornos podem ser baixos ou mesmo inexistentes, pois você terá pequenas participações em diferentes setores ou empresas na economia. 

Portanto, é uma abordagem ideal para você se você está procurando construir uma riqueza duradoura ao longo do tempo, em vez de uma renda imediata.

Por outro lado, uma grande desvantagem é que você pode perder grandes oportunidades que existem em um setor específico. 

Ao ter seu capital dividido em várias categorias, se houver uma mudança no mercado, você provavelmente não terá a liquidez necessária para aproveitá-la. Neste sentido, você não deve esquecer de reservar um tempo para diversificar sua carteira e analisá-la, pois provavelmente terá várias empresas e setores à sua disposição. 

Portanto, você deve pensar cuidadosamente se a diversificação do mercado de ações é a estratégia que você está procurando para administrar seus investimentos.

Como diversificar?

Para diversificar, você deve ter um conhecimento profundo do comportamento dos títulos nos quais deseja investir e distinguir entre aqueles com crescimento baixo ou alto ou aqueles cujo desenvolvimento é instável. 

Além disso, é importante que os ativos nos quais você está apostando não tenham nenhuma ou baixa correlação entre si. Também é essencial que você escolha não apenas títulos de renda fixa, mas também inclua ações ou ações de empresas cíclicas ou contracíclicas, conforme apropriado em cada caso.

Outra estratégia a ser implementada é investir em ETFs (fundos negociados em bolsa), que são um conjunto de ativos previamente diversificados, ou em outros fundos de investimento. Desta forma, você está implicitamente apostando na diversificação.

No entanto, é preciso analisar cada instrumento cuidadosamente. Antes de escolher um fundo, observe os elementos-chave como sua composição, a cota investida em cada país e as taxas.

Dependendo da quantidade de capital que você possui, você pode diversificar em maior ou menor grau. Assim, os grandes investidores podem apostar em múltiplos ativos, instrumentos financeiros ou empresas. 

Por outro lado, é aconselhável que as pessoas com menos capital invistam em um pequeno número de produtos, que devem conhecer bem para poder monitorá-los eficazmente.

Como posso diversificar minha carteira se eu tenho pouco capital?

Como você já viu, uma carteira bem diversificada pode ser composta por um grande número de ativos de diferentes classes de ativos.

O problema é que às vezes o capital necessário para investir nestes ativos é muito alto (por exemplo, há empresas cujas ações custam centenas, milhares ou mesmo centenas de milhares de dólares cada uma).

E depois há as comissões cobradas pelos corretores para cada comércio.

Portanto, minha opinião (e a de muitos grandes investidores) é que a melhor estratégia para aqueles com capital pequeno é investir em fundos mútuos.

Em particular, aconselho-o a optar pela gestão passiva (ETFs e fundos de índice).

Esta estratégia tem múltiplas vantagens se seu capital for pequeno, pois permite que você o faça:

Diversificar Investimentos - (Foto Pexels)
Diversificar Investimentos – (Foto Pexels)

Acesso a um grande número de ativos: com um fundo de investimento você pode comprar pacotes de ações (ou qualquer outro ativo) a um preço muito inferior ao que custaria comprar essas mesmas ações individualmente.

Receba comissões menores: quando você compra uma participação em um fundo de índice ou ETF, você só faz uma transação de compra com seu corretor (você só tem que pagar comissões uma única vez), enquanto que se você compra ativos individualmente, você pode fazer dezenas de transações.

Investir em múltiplos mercados e tipos de ativos: existem fundos de investimento especializados em renda fixa ou ações, commodities, áreas geográficas, moedas, etc. Desta forma, você pode ter uma carteira altamente diversificada com capital modesto.

Através de ETFs e fundos de índice, é possível obter retornos muito interessantes a longo prazo, mesmo que seu conhecimento de investimento seja limitado.

De fato, esses veículos de investimento são a base da estratégia que eu explico na ARALP (meu treinamento em Alto Rendimento de Longo Prazo de Desempenho da Bolsa de Valores).