Início Educação Acabar com as dívidas: Confira 5 dicas para reduzir ou eliminar seus...

Acabar com as dívidas: Confira 5 dicas para reduzir ou eliminar seus débitos

Acabar com as dívidas: Confira 5 dicas para reduzir ou eliminar seus débitos
Acabar com as dívidas: Confira 5 dicas para reduzir ou eliminar seus débitos
Publicidade

Pode ser fácil ficar endividado, bem como pode ser fácil conseguir acabar com as dívidas e voltar a dever depois. As dividas são um peso para todos, sem falar que se você tiver altos níveis de dívida, isso pode afetar seu histórico de crédito. Isso é pior ainda, levando em conta que muitas empresas analisam esse ponto quando você solicita dinheiro emprestado, obtém um cartão de crédito ou busca algum financiamento.

Publicidade

Mas há uma boa notícia: é possível ter sua dívida sob controle e té mesmo por um ponto final nela. Por isso, hoje o Top 5 Melhores vão te mostrar 5 maneiras de reduzir suas dívidas e manter suas finanças sob controle. Confira!

Acabar com as dívidas: Confira 5 dicas para reduzir ou eliminar seus débitos

5 dicas para acabar com as dívidas

Algumas dicas podem parecer bem simples, mas não totalmente necessárias. Por isso, fique atento a todas elas e veja como pode encaixar cada uma delas no seu dia a dia. A caminhada rumo a liberdade financeira não é fácil, mas totalmente possível. Então, confira!

1. Desenvolva um orçamento para acompanhar as despesas

Antes de fazer um plano para pagar sua dívida, você precisa descobrir quanto ganha e suas despesas totais. Aqui estão as etapas que você pode seguir para criar um orçamento simples:

  1. Determine sua renda. Verifique seus contracheques dos últimos dois ou três meses e anote quanto você ganha por mês após os impostos. Você também deve incluir coisas como gorjetas, bônus, renda de trabalho autônomo, renda de investimento, apoio da família, benefícios do governo e pensão alimentícia.
  2. Some o que você gasta. Analise suas despesas mensais e escreva uma lista de seus custos fixos, como aluguel, serviços públicos, mantimentos, custos de transporte, contas de cartão de crédito e pagamentos de empréstimos estudantis. Considere também despesas irregulares como presentes ou contas inesperadas.
  3. Descubra o que resta. Subtraia suas despesas de seus ganhos mensais e procure áreas para cortar despesas. Com o dinheiro que sobra em seu orçamento, você pode fazer um plano para pagar parte de suas dívidas a cada mês.

Depois de criar um orçamento, continue acompanhando suas despesas. Isso pode ajudá-lo a entender para onde seu dinheiro está indo e mantê-lo motivado enquanto paga as dívidas. Use o método que funciona para você, seja anotando suas despesas com caneta e papel, digitando-as em uma planilha ou usando um aplicativo para dispositivos móveis.

2. Verifique as suas contas

Erros simples de cobrança podem aumentar seus custos mensais e, em alguns casos, você pode nem perceber. É por isso que é importante revisar cuidadosamente suas contas antes de pagá-las. Isso inclui contas regulares de seus fornecedores de serviços públicos, cartão de crédito e seguros, além de despesas únicas, como contas médicas.

Publicidade

Procure por possíveis erros, como serviços extras que você não solicitou, taxas sem explicação, cobranças duplicadas, cobranças fraudulentas e erros de cálculo. Você também pode ligar para a empresa que cobrou e pedir que explique cada item cobrado.

3. Pare de assumir mais dívidas

Embora essa estratégia não o ajude com a dívida que você já tem, não assumir dívidas adicionais pode facilitar o controle de suas finanças. Quando você assume mais dívidas, pode aumentar seu cronograma de pagamento e o dinheiro que paga em juros.

Evitar que sua dívida cresça pode ser um desafio se você não puder pagar pelas necessidades. Se sua renda for menor que suas contas mensais, você poderá iniciar uma atividade paralela ou conseguir um emprego sazonal para aumentar seus ganhos. Você também pode ser elegível para apoio financeiro de programas do governo estadual e federal ou pode trabalhar com seus credores em outras opções de alívio da dívida.

Publicidade

Lembre-se, o Serasa sempre oferece a opção de negociar o valor total da divida em parcelas ou um total menor à vista. Por fim, ainda tem a semana Limpa Nome Serasa, que as suas dividas tem o menor preço disponível para pagamento.

4. Pague as contas em dia

Fazer pagamentos em dia é sempre uma boa ideia porque mantém suas contas em dia e ajuda a evitar taxas de atraso e juros. Dessa forma, como o histórico de pagamentos é uma grande parte de sua pontuação de crédito, evitar pagamentos atrasados ​​é uma boa maneira de manter seu crédito saudável. 

Publicidade

5. Construir um Fundo de Poupança de Emergência

Um fundo de emergência é uma reserva em dinheiro que você pode usar para emergências financeiras, como perda de emprego ou conta médica. Ter um desses pode ajudá-lo a evitar dívidas no futuro. Assim, você pode usar seu fundo de emergência para uma despesa não planejada em vez de cobrar seu cartão de crédito ou fazer um novo empréstimo.

A quantia que você deve economizar depende da sua situação, mas alguns especialistas financeiros recomendam ter dinheiro suficiente para cobrir as despesas de três a seis meses. E os especialistas te recomendam começar com uma meta de R$ 500 (ou quanto puder) para cobrir emergências comuns, como consertos de carros ou custos médicos. Em seguida, tentar juntar até R$ 1.000 (ou o que puder, mas um valor maior que o anterior). Se você ainda não tem um fundo de emergência, considere economizar o que puder a cada mês até acumular suas economias.  

Acabar com as dividas de uma vez por todas

Por fim, à medida que você trabalha para minimizar ou reduzir sua dívida, monitorar seu crédito pode ajudá-lo a ficar por dentro das coisas e ver como a dívida pode estar afetando seu crédito. Aliás, uma forma de monitorar seu crédito é por meio das empresas de crédito, com destaque para o Serasa. Lá, você pode consultar gratuitamente a situação das suas dívidas e do seu crédito.